Meu Amado Irmão

“E tende por salvação a longanimidade de nosso SENHOR; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição”. (2 Pe 3.15,16).

O apóstolo Pedro teve um desentendimento sério com o apóstolo Paulo, na cidade de Antioquia, conforme este último relata no segundo capítulo da sua Epístola aos Gálatas. Paulo acusou publicamente o seu companheiro de agir com parcialidade e hipocrisia, e ainda fez o registro por escrito, na epístola mencionada.

Alguém poderia esperar que Pedro, deste dia em diante, tivesse algumas restrições ao convívio com o seu companheiro, que o destratou na frente do rebanho. Que fizesse até alguma referência em uma das suas epístolas endereçadas aos crentes dispersos por várias regiões, apontando alguns defeitos de Paulo (ele também não é perfeito!).

Porém, nesta que é a sua última carta conhecida, Pedro faz referências elogiosas ao seu companheiro: reconhece a sua sabedoria, vinda de Deus, que lhe permite escrever várias epístolas, com pontos doutrinários profundos, e iguala estes escritos aos evangelhos e ao Antigo Testamento – escritos inspirados pelo Espírito Santo. E, acima de tudo, Pedro reconhece seu companheiro como “o nosso amado irmão Paulo”.

Em alguns momentos, podemos encontrar cristãos que não pensem igual a nós, outros que nos confrontem e até alguém que nos destrate ou nos desvalorize, mas não podemos permitir que o rancor, a mágoa ou inimizade domine os nossos corações. Eles continuam sendo nossos amados irmãos.

Há outros que são capacitados por Deus para fazer coisas maiores do que eu posso fazer. Que podem ir onde ou não alcanço e realizar o que eu nem em sonhos poderia almejar. Não posso deixar que a inveja ou outro sentimento mesquinho domine o meu coração. Ele é meu amado irmão e que Deus o use poderosamente.

Somente pela graça de Deus podemos perdoar o que nos ofendeu, reconhecer o que é mais eficiente do que nós, e valorizar o que os que não “falam a mesma linguagem”. Glória a Deus, que nos dá esta graça e também nos trata com graça, quando erramos.

Pr. Kleber Maia

Category:

Artigos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*